Comics Artist Gabriel Andrade Interviewed By Flavio Pessanha

by

Below is an interview with Crossed Plus One Hundred artist Gabriel Andrade. The interview was conducted in mid-2015 by Flavio Pessanha who administers the Alan Moore Brazil (Alan Moore Br) Facebook page. The interview is appearing in English for the first time ever here; the full original Portuguese text appears after the English translation below. The English translation was also done by Pessanha, then I edited it slightly for readability, and added links and images.

Gabriel Andrade Jr. image via Facebook.

Gabriel Andrade Jr. image via Facebook.

Alan Moore Br: Gabriel, could you please tell us about the beginnings of your career as an illustrator, and how you decided to switch from economics to art?

Gabriel Andrade Jr.: The arts – more precisely illustration and music – have always been my passion and that’s where I spent most of my time. But in my adolescence I discovered philosophy and politics, and that also fascinated me. In the end, however, I couldn’t deny my artistic streak. (laughs) I chose to read Music at university, as I didn’t see myself as a graphic designer or didn’t see that there was a market for that.

When opportunities to show my portfolio drawings started to arise, I didn’t think twice and invested all I could in this process. As I didn’t know anything regarding this field, I had help from my friends Milena Azevedo (GHQ blog), Miguel Rude and Wendell Cavalcanti (both artists and comic writers). They were already in the business and they were my gurus when it all started for me.

You have worked for Dark Horse, Atlantic and you are now with Avatar. How did you get started working for Avatar?

Lady Death artwork by Gabriel Andrade

Lady Death artwork by Gabriel Andrade

Towards the end of 2009 I had finished Die Hard at Boom!Studios and they [Avatar] needed an artist for Lady Death, so I created a fancy illustration for the poster and the final artwork. After that, I signed my first contract with them. (laughs)

How did Alan Moore find you? Were you surprised?

We both did work for Avatar’s special God is Dead [Book of Acts Alpha], but in separate short stories. William [Christensen], the editor-in-chief, showed my work to Alan and then we agreed that we were going to develop the new series.

In a recent interview with Pádraig O’Mealóid Alan Moore said that your art is spectacular and he called you ‘real old-school brilliant’, which is a humongous compliment. What are your main influences and how did you learn to draw?

My first influence didn’t come from comics, but from real life. As a child I drew everything I saw and, as my parents were teachers, at home we had a huge variety of illustrated science books, and many magazines and educational posters.

Chico Bento by M. Image via Wikipedia

Chico Bento by Mauricio de Sousa. Image via Wikipedia

It wasn’t until age nine that I got my first comic; it was a [Mauricio de Sousa’s] Chico Bento. Although I was in love with comics, I have never been one to copy the drawings and have always preferred to draw what I saw. But when I started to take art seriously and began to study technique, I discovered great masters like Milo Manara, Moebius and Serpiere.

I didn’t like the aesthetics of the American comic heroes, with the exceptions of John Buscema (Conan) and John Romita Sr. (Spider-Man).

In my childhood in the nineties I couldn’t bring myself to like what was being published at the time, but it was when Heavy Metal came around and I managed to get some Brazilian horror comics, as well as Tex, Ken Parker and Blueberry, and Akira and Clamp manga, that I rediscovered comics. Manga influenced me to weed out the vices of the American comics. Manga were what I liked aesthetically.

My art has always been realistic and based on photographs or films, but it was only when I decided to become a professional that these influences from comics began to show in my style.

So I usually say that my style has been influenced by – in this order – John Buscema, John Romita Sr., [José Luis] García-López, Jim Lee, Katsuhiro Otomo, Clamp, Milo Manara, Moebius, Alberto Gennari, Mike Deodato, [Paolo] Serpiere, Frank Cho and Adam Hughes.

Moore also says that you are like artists from England or the Philippines, and he states that you come from a black & white comics school. That seems to show that there is a possibility that Crossed Plus One Hundred will be published in a black and white edition in the future. How do you fancy that?

What the odds of that happening are I do not know, but I would love it if it happened. I plan the pages to be enjoyed with or without colorization.

What was the step-by-step process you took when you worked on Crossed Plus One Hundred, from script to final art?

The same as with all the others. I skim through the pages to start to get visual references of the places and to shape in my mind the sort of feelings that the story needs. I spend around a couple days in this process of seeking the best references and the best angles so I can present and schematize the composition and the dynamic of each page. After I finish the basics in pencil, I present it to the editor, who shows it to the writer. After the art has been approved I finalize it with paint and brush.

Moore is known for writing scripts having in mind the artist who will draw them, so he can best explore the artist’s potential. In your opinion, what was asked of you the most? Was there any situation in which you broke some rules so you could use some of your own ideas?

Yes, the scripts are very detailed but I was allowed freedom to create the places and the character’s physical appearances, and even their colorization. Even with the scripts being very specific and detailed with regards to camera angles and layout, in all issues I did quite a few alterations to the angles, the close-ups, in the designs of the scenes. All this in the good name of the narrative.

In Crossed, your wide-angles are impressive and transmit architectonic precision teamed with a strikingly neat anatomy, Gabriel. How do you do your research and preparation?

The research in this work was very specific because the surroundings are versions of real cities. But I wanted everything organic and irregular. I practically didn’t use a ruler when I finalized the series, I think I only used it when I was doing the panel borders. Many of the materials and objects were imagined, taking as a starting point real objects and reusing them so, in that way, the houses, vehicles, furniture, were all re-adapted. In that aspect, there wasn’t much work involved.

What’s the difference between drawing for Alan Moore and for other writers, apart from the size of the script?

I didn’t notice much difference regarding getting the job done. But having the script so well-written and laden with details makes you feel grounded in the universe of the story in an ultimate and almost spiritual way. I really felt the story happening. It was very stimulating, for the text, and very exhausting, for the deadline. I loved this job.

Crossed Plus One Hundred No.1 American History X variant cover by Gabriel Andrade

Crossed Plus One Hundred No.1 American History X variant cover by Gabriel Andrade

You were the exclusive artist for the Moore run of the title and he designated specifics for each one of the covers. What could you tell us about the covers for Crossed?

For the covers, I was given either a theme or a brief description. But as they told ‘historical’ events, for example the course of humanity up to that moment in the story, I had to be very consistent with the logical degradation of society through time. The design and the ideas for the themes were left to my creativity.

Does this work with Moore change the path of your career?

Well, on my part there was a serious investment in my artistic work in the series. The quality, the attention, the levels of detail, and the use of different description techniques in my art all improved greatly. Regarding the paths my career will take, I don’t know yet, it is still early to say. The last Crossed Plus One Hundred issue, the sixth, is out next month. Let’s wait and see what impact it makes.

Gabriel, what are your next projects? Are there any plans for a new partnership between you and Alan Moore?

I have been writing and developing a story of my own. Perhaps for a graphic novel or a series in three parts. I’m not sure. Regarding working with Mr Moore again, I don’t know about this possibility, but it would be an enormous delight.

Below is the interview as it originally appeared in Portuguese, with a full introduction by Flavio Pessanha of Alan Moore Br Facebook page. To read the posts on Facebook, see part 1 and part 2.

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM GABRIEL ANDRADE – 1ª PARTE

Conversamos com Gabriel Andrade Jr. sobre seu trabalho em CROSSED +100, a nova série de Alan Moore ambientada no universo apocalíptico criado por Garth Ennis.

Por muitas razões é uma obra especial. Além de os scripts de Alan Moore, que é o maior expoente da literatura dos Quadrinhos, a HQ também conta com a arte de Gabriel Andrade Jr, que é o quarto brasileiro a ilustrar uma HQ escrita por Moore (anteriormente Joe Bennett, Al Rio e Felipe Massafera tiveram o privilégio de compor a parceria).

Em CROSSED, série criada por Garth Ennis e Jacen Burrows em 2008, a humanidade se viu sitiada por uma praga. Transmissível através de fluidos corporais, a doença fez com que os indivíduos contaminados tivessem seus comportamentos modificados e apresentassem escaras em suas faces que formavam uma cruz. Os contaminados sofriam uma anulação completa do superego e começaram a realizar seus pensamentos mais perversos, sendo capazes de atos extremos de violência, sadismo, estupros e canibalismo.

CROSSED +100 é um spin-off da série original situado em 2108, cem anos após os eventos originais de CROSSED. Através dos registros do diário de Future Taylor, personagem central da história criada por Moore e Gabriel, temos acesso à trama. Taylor é integrante de um grupo sobrevivente que realiza missões, e ela é encarragada de recolher livros e informações daquilo que um dia a humanidade foi. É uma história repleta de nostaliga num mundo com a população escassa, construções devastadas, reocupado pela natureza, repleto de animais selvagens, novos desafios e ameaças.

A série ainda não foi lançada no Brasil, mas pode ser adquirida nas livrarias estrangeiras. A amazon já disponibilizou para pré-venda o volume 1 de CROSSED +100, contendo os seis primeiros números da coleção.

Confira agora a entrevista com Gabriel Andrade e fique atento, pois esta semana publicaremos a segunda parte de nossa conversa.

***

ENTREVISTA COM GABRIEL ANDRADE JR – PRIMEIRA PARTE

ALAN MOORE BR: Gabriel Andrade, você poderia falar um pouco sobre o início da sua carreira de desenhista e como ocorreu sua decisão de trocar a Economia pela Arte?

Gabriel Andrade: A arte, sintetizados entre desenho e a música, sempre foi minha paixão, além de tomar uma grande parte dos meus dias. Porém, na adolescência descobri a filosofia e a política e isso também me encantou – não pude negar minhas veias artísticas por muito tempo (risos). Acabei por optar pela faculdade de Música, já que eu não me via como um artista gráfico, ou não observava as oportunidades de mercado pra isso. Quando as oportunidades para apresentar portfólio e fazer meu trabalho visível começaram a surgir, não pensei duas vezes e investi tudo nesse processo. Como eu não sabia nada sobre a área, eu tive a ajuda dos meus amigos Milena Azevedo (blog GHQ), Miguel Rude (Artista e Roteirista de quadrinhos) e Wendell Cavalcante (Artista e Roteirista de quadrinhos). Eles já trabalhavam para o mercado foram meus gurus no inicio de tudo.

AMBr: Você já trabalho na Dark Horse, Atlantic e atualmente trabalha na Avatar. Como surgiu o convite para Avatar?

GA: No final de 2009 eu tinha terminado a Die Hard na Boom!Studios e eles precisavam de um Artista para a Lady Death, eu fiz uma ilustração pôster caprichada e arte-finalizada. Depois disso assinei o primeiro contrato com eles (risos).

AMBr: Como Alan Moore descobriu você? Isso o pegou de surpresa?

GA: Trabalhamos no especial God is Dead da Avatar, em contos diferentes. O Editor chefe William, apresentou meu trabalho a ele e logo ficamos acertados de desenvolver a nova série.

AMBr: Moore disse numa entrevista recente a Pádraig que sua arte é espetacular e chamou você de “real old-school brilliant”. Isso é um tremendo elogio. Quais são suas principais influências no desenho e como você aprendeu a desenhar?

GA: As minhas primeiras influências não foram os quadrinhos, mas a vida real. Quando era criança eu desenhava tudo que via, meus pais eram professores e tínhamos uma grande variedade de livros científicos, ilustrados, muitas revistas e pôsteres educativos pela casa. Só vim ter minha primeira revista em quadrinhos com 9 anos. Era uma do Chico Bento. Embora sempre apaixonado pelos quadrinhos, nunca fui de copiar os desenhos, eu preferia sempre desenhar o que via. Mas quando comecei a levar a sério o trabalho artístico e estudar a técnica, descobri grandes mestres como Milo Manara, Moebius e Serpieri. Eu não gostava da estética dos quadrinhos de heróis americanos, no máximo John Buscema (Conan) ou John Romita Sr (Homem-Aranha). Na Minha infância nos anos 90 eu não conseguia gostar do que era publicado, mas foi quando surgiu a Heavy Metal e consegui alguns quadrinhos de terror brasileiros, Tex, Ken Parker, Blueberry e os mangás de Akira e CLAMP que eu redescobri os quadrinhos. Os mangás me influenciaram muito para limpar toda a sujeira que os quadrinhos americanos traziam. Era o que eu gostava esteticamente. Minha arte sempre foi realista baseada em fotos ou em filmes. Mas foi só quando eu resolvi me tornar um profissional que essas influencias dos quadrinhos afloraram no meu traço. Então costumo dizer que o meu traço possui influências, pela ordem, de John Buscema, John Romita Sr, Garcia Lopes, Jim Lee, Katsuhiro Otomo, Clamp, Milo Manara, Moebius, Alberto Gennari, Mike Deodato, Serpiere, Frank Cho e Adam Hughes.

AMBr: Moore também diz que seu domínio do nanquim remete a artistas ingleses e filipinos. E afirma que você vem de uma escola de quadrinhos em preto e branco. Isso abre espaço para a possibilidade de que Crossed +100 venha a ser publicado no futuro em uma edição em preto e branco. O que você acha dessa possibilidade?

GA: Não sei se isso abre um espaço nesse sentido, mas eu amaria essa possibilidade, eu planejo as páginas para serem apreciadas pintadas ou não.

AMBr: Como é passo-a-passo o processo de produção de Crossed +100 desde o roteiro até a página finalizada?

GA: É o mesmo de todas as que faço. Eu dou uma leitura rápida nas páginas para começar a buscar as foto referências de lugares e começar a solidificar na mente o tipo de sentimento que a história precisa. Perco uns dois dias nesse processo de buscar as melhores referencia e melhores ângulos para apresentar e esquematizar a composição e dinâmica de cada página. Depois de terminar o grafite básico, apresento ao editor que leva ao escritor. Depois de tudo, aprovada a arte, finalizo com pincel e tinta.

ALAN MOORE BR: Gabriel, Alan Moore é conhecido por fazer os roteiros tendo em mente o artista que vai desenhá-los, de modo a aproveitar da melhor forma possível a potencialidade do desenhista. Em sua opinião, em que você foi mais exigido? Houve situações em que você quebrou as regras para usar algumas ideias suas?

Gabriel Andrade: Sim, roteiros bastante detalhados, porém, eu fui deixado bem livre pra criar os cenários e aparência dos personagens, inclusive na colorização desses. Mesmo os roteiros sendo bastante detalhados e específicos, quanto a câmera e layout, em todas as edições eu fiz diversas alterações, no ângulo, nos closes, nas ideias de design de cenário, tudo em prol da narrativa.

AMBr: Em Crossed, suas grandes angulares são impressionantes e transmitem precisão arquitetônica e um cuidado anatômico impressionante, Gabriel. Como é seu trabalho de pesquisa e preparação?

GA: O trabalho de pesquisa nesse trabalho foi muito específico, pois os ambientes são versões de cidades reais. Mas eu queria que tudo fosse bastante orgânico e irregular. Praticamente não usei régua na finalização dessa série, talvez apenas na feitura dos quadros. Muitos dos materiais e objetos são imaginados a partir de objetos reais reaproveitados, dessa forma, casas, veículos, móveis, todos adaptados. Nesse sentido houve muito trabalho.

AMBr: Qual é a diferença entre desenhar para Moore e outros escritores, além do tamanho do roteiro?

GA: Não notei uma grande diferença quanto ao trabalhar. Mas o roteiro muito bem escrito e detalhado, que te alicerça no universo da história de uma maneira definitiva, quase espiritual. Eu realmente senti a história acontecer. Foi muito estimulante, pelo texto, e extremamente cansativo, pelo prazo. Amei esse trabalho.

AMBr: Você foi o artista exclusivo do run de Moore no título e ele designou cada uma das capas. Você poderia falar um pouco sobre as capas para Crossed?

GA: Para as capas era me proposto ou um tema ou uma leve descrição. Como se tratava de acontecimentos “históricos”, como a trajetória da humanidade até o momento da aventura em questão, eu tive que ser bem coerente com a degradação lógica da sociedade através do tempo. O design e as ideias sobre os temas foram estavam a disposição da minha criatividade.

AMBr: Esse trabalho com Moore muda o rumo de sua carreira?

GA: Bem, houve um investimento sério, da minha parte, no meu trabalho artístico nessa série. A qualidade, a atenção, os níveis de detalhamento e o uso de outras técnicas de narração foram evoluções notáveis na minha arte. Quanto a o rumo da minha carreira, não sei responder, ainda é cedo. A última edição de Crossed+100 (#6) saí próximo mês. Vamos esperar a repercussão disso.

AMBr: Gabriel, quais são seus próximos projetos? Há planos de uma nova parceria entre você e Moore?

GA: Estou escrevendo e desenvolvendo uma história minha. Talvez uma Graphic Novel, ou uma série em três partes. Ainda não sei. Quanto a trabalhar com o Sr. Moore novamente, não faço ideia dessa possibilidade, mas seria um prazer enorme.

AMBr: Muito obrigado, Gabriel.

Advertisements

Tags: , , ,

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: